Foto: Reprodução Internet)

Se você se aventurar à construção sem alguns conhecimentos básicos do que isso envolve, o projeto pode virar um desastre e os custos, certamente, triplicarão.

Há quem prefira investir na construção da casa própria em vez de comprá-la pronta. A vantagem é poder construir exatamente como gostaria e, ainda, de forma mais econômica, já que não é preciso pagar a comissão de imobiliária, por exemplo.  A seguir, listamos cinco coisas que você precisa levar em conta antes de começar a construir. Veja!

1. Escolha o terreno com cuidado

Se você ainda não tem o terreno e está buscando um para sua construção, não basta escolher apenas pela localização e pelo tamanho. Após encontrar um que te interesse, é fundamental que você vá até a prefeitura da cidade e solicite detalhes sobre a área, como: qual o tipo de construção é permitida ali, se o espaço não faz parte de reserva ambiental e se não trata de espaço em processo de desapropriação. Além disso, veja se o imposto territorial está atualizado, pois, se não estiver, é importante negociar esse valor. Tenha precaução, avaliando se o terreno não é considerado área de risco ou contém algum problema que possa ameaçar a futura construção.

2. Atente para a documentação necessária

Cada cidade tem diretrizes próprias na construção de imóveis. Entretanto, é ilegal começar a construir sem ter, antes, o devido alvará de licença de obras. Começar da maneira errada, sem verificar a burocracia legal, pode trazer péssimas surpresas no futuro, incluindo uma notificação de demolição. Por isso, conheça a lei para construções da região e encaminhe o projeto de arquitetura para aprovação na Secretaria de Obras. Depois disso, já com o alvará de construção, você ainda precisará da Anotação de Responsabilidade Técnica, do Cadastro Específico do INSS (CEI) e de documentos especiais que variam de caso para caso. Se julgar não ter aptidão para verificar toda a documentação, contrate um profissional (arquiteto ou engenheiro) para auxiliar nesse processo.

3. Planejamento é essencial

É preciso projetar tudo, desde os gastos com materiais e mão de obra, até os detalhes do acabamento. Lembre-se de adequar as prioridades ao orçamento para não gastar demais em coisas supérfluas e, depois, ter de se endividar para concluir a obra. O ideal é fazer um cronograma bem detalhado, em que você descreve os serviços, os prazos, os materiais necessários, a mão de obra e os gastos referentes a cada etapa. Depois, é essencial seguir o planejamento à risca para evitar desperdício de recursos e tempo. Também para isso, um arquiteto ou engenheiro de confiança poderão lhe ajudar para não ter erro.

4. Contrate mão de obra qualificada

Para economizar, escolhe-se, muitas vezes, a equipe de trabalho mais em conta sem sequer verificar a qualidade do serviço. É verdade que atualmente os preços para mão de obra nessa área estão mais altos, porém, se você não averiguar a competência dos profissionais, corre sério risco de deixarem sua obra inacabada ou, pior, utilizarem materiais de segunda linha mesmo que você não tenha autorizado. Cote valores desses profissionais, mas prepare-se para gastar relativamente bem se você quiser qualidade. Pesquisar resultados anteriores da equipe é uma boa opção para se assegurar do alto padrão de serviço. Mas, mesmo assim, não deixe de elaborar contratos, com a descrição das tarefas, de prazos, de responsabilidades e de valores.

5. Pesquise o valor dos materiais

A variação dos preço de materiais de construção pode ser gigante, ainda mais comprando em grandes quantidades. Por isso, faça um levantamento do valor de cada produto, verificando também as condições de pagamento de cada loja. Normalmente, vale mais a pena comprar tudo em um mesmo local, abrindo negociação de um desconto maior. Mas, assim como a mão de obra, não abra exceção comprando materiais de baixa qualidade apenas para economizar. Isso poderá gerar retrabalhos, além de problemas futuros, como infiltrações e vibrações. É preciso pensar no custo/benefício, não apenas no valor financeiro.

 

Fonte: Reformolar | Edição: Loyce Policastro/Netshare Marketing Criativo